Pular para o conteúdo principal

Dependência Emocional: o que é e como lidar


Dependência Emocional: o que é e como lidar

Pensar na pessoa amada é esperado. 
Desejar sua presença é natural. 
Depender é problemático.


Dependência Emocional: o que é e como lidarExiste diferença entre agir com o outro e depender do outro para agir.

A dependência afetiva é um estado subjetivo que se apresenta como "amarras" emocionais. 


Parece que “falta o chão” quando a figura de importância se ausenta, mesmo que por um curo espaço de tempo, ou demonstra algum desinteresse.

Existe uma grande diferença entre agir com o outro e depender do outro para agir.


Perfil do dependente afetivo:


Na psicologia consideramos como dependente aquele indivíduo que não desenvolveu sua autonomia afetiva de forma adequada. 

Costumeiramente depositam a tomada de decisões de sua vida pessoal nas mãos do outro (escolha de roupas, corte de cabelos, cursos, etc).


É comum que não meçam esforços para agradar o outro, chegando ao ponto de sofrer prejuízos, para obterem pequena ou nenhuma gratificação.

Na sua concepção, um relacionamento saudável é aquele onde um vive somente para o outro, ignorando ou diminuindo a importância das outras instâncias da vida. deste modo, deixam de ser produtivos, abrem mão de outras gratificações e/ou colocam-se em risco pela pessoa amada.


Outra característica importante do dependente é a cegueira emocional: ele tende a ignorar a rejeição (velada ou manifesta) da outra parte. 

Quando rejeitado, costuma amplificar os mecanismos de vinculação, buscando resgatar a relação afetiva mesmo à custa de grandes sacrifícios. 

Sua autoestima está tão comprometida, que ele não consegue enxergar a si mesmo como uma pessoa, com desejos, necessidades e vontades próprias. Tudo o que deseja, tem alguma relação com seu parceiro afetivo.

Motivos da dependência emocional


Vivemos um momento sócio-histórico que supervaloriza as relações afetivas, mesmo que passageiras. Podemos observar este fenômeno nas letras de músicas, no filmes, novelas e seriados, que colocam a felicidade afetiva como o maior bem que um indivíduo pode ter.
Neste contexto, ficar sozinho é visto como algo "anormal" (o que é uma grande falácia, pois existem pessoas que vivem muito bem sozinhas).


Dependência ou felicidade?


Esta cultura da "felicidade amorosa a qualquer custo", leva algumas pessoas mais sensíveis a colocarem o sentido de sua vida nos relacionamentos. Quando encontram alguém, acreditam piamente que devem abrir mão de todos os outros interesses para investir seus recursos afetivos exclusivamente na relação, muitas vezes exigindo que o outro faça o mesmo.

O medo da solidão também é outro fator que pode colaborar para colocar algumas pessoas em estado de dependência afetiva. 

Existem momentos em que é importante que a relação seja partilhada, mas em outros é fundamental que a individualidade seja mantida, para garantir a qualidade da relação.


Como lidar com a dependência emocional


Uma das formas de elaborar a dependência afetiva é exercitar o autoconhecimento, a assertividade e desenvolver as habilidades sociais, que podem colaborar para desenvolver o senso de autonomia.


Buscar a compreensão dos motivos que te levam alguém a ser dependente pode facilitar o resgate da autoestima, levando o indivíduo a olhar mais para si mesmo, sem a necessidade imperiosa do olhar constante do outro sobre si.


psicologa sp

1ª Sessão de Terapia: como funciona

Se você nunca passou na Psicóloga, ou por algum motivo precisou interromper e gostaria de retomar sua Psicoterapia, fica aqui um convite para vir conhecer meu trabalho, expondo suas queixas e fazendo um pré-diagnóstico. Algumas pessoas têm medo de vir à Psicóloga. Isto é normal, mas não é "legal". O ideal seria passar em um Psicólogo, pelo menos uma vez na vida, para inferir seu estado emocional, para conhecer o Trabalho dos psicólogos, desabafar, e para colocar em dia suas variáveis emocionais, aquelas que, quando acumulam, geram depressão, ansiedade, dificuldade de relacionamento. Psicólogos não existem apenas para tratar de "pessoas com problemas". Oras, todos nós temos problemas a resolver, afinal a vida é um desafio constante. Os Psicólogos existem justamente para favorecer o enfrentamento destes problemas emocionais, que todos atravessamos. Trata-se de uma escuta imparcial, acolhedora e humanizada, sem julgamentos, sem preconceitos de qualquer natureza. Observ