Terapia na televisão

Terapia na televisão





Séries de TV protagonizadas por psicoterapeutas fazem sucesso no mundo inteiro. 

Um divã, um terapeuta e um paciente. Era tudo de que o roteirista israelense Hagai Levi precisava para criar uma série de TV, BeTipul (Em Terapia), em 2005. Escrita em parceria com Ori Sivan e Nir Bergman, a história gira em torno de um psicólogo que, de segunda a quinta, atende seus pacientes e, às sextas, é atendido por sua terapeuta. Em pouco tempo, a produção caiu nas graças do público e foi adaptada para mais de 30 países, como Itália, Portugal e Argentina. Só nos EUA, In Treatment, estrelada por Gabriel Byrne, ganhou dois Emmys, o Oscar da TV, e um Globo de Ouro.
No Brasil, Sessão de Terapia estreou em 2012 e ganhou três temporadas. Em 2014, entrou em recesso e, cinco anos depois, volta a ser exibida, com novo protagonista. Selton Mello, também diretor, assumiu o lugar de Zé Carlos Machado. A série vai ao ar pelo Globoplay.
Diante da impossibilidade de Zé Carlos voltar a interpretar Theo Ceccato, o protagonista das três primeiras temporadas, Selton Mello saiu à procura de um novo ator. Rodrigo Santoro, Wagner Moura e Alexandre Nero elogiaram o personagem, mas, por falta de tempo, declinaram do convite. Coube ao próprio Selton assumir o papel do terapeuta Caio Barone.
“Sua atuação é muito intensa”, elogia a psicanalista Cristiane Rangel, da Sociedade Brasileira de Psicanálise do Rio de Janeiro (SBPRJ). “Por apresentar o terapeuta num momento difícil de sua vida, mostra quanto esse ofício exige de quem o pratica. Não cabe ao analista dar conselhos, tomar resoluções pelo paciente ou contar detalhes de sua vida. O terapeuta é alguém que escuta o paciente sem tecer julgamentos ou condenações”, analisa.
Em menos de um mês, a quarta temporada de Sessão de Terapia tornou-se uma das mais assistidas do Globoplay. Logo, teve sua quinta temporada confirmada para 2020 ou 2021. Mas qual a razão desse êxito todo? O psicanalista Ricardo Goldenberg, consultor da série e doutor em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), arrisca um palpite: “Os protagonistas não são bem os analistas, são os pacientes. Questões comuns de gente comum, com quem alguém pode se identificar. Talvez estejamos cansados dos heróis e isso explique o sucesso”.

Dramaturgia psicanálise

Todo início de temporada, a roteirista Jaqueline Vargas segue o mesmo ritual: seleciona de oito a dez perfis de personagens e os submete à avaliação do diretor, Selton Mello, e do produtor-executivo, Roberto D’Ávila. Juntos, os três escolhem, dos oito ou dez perfis, os quatro que melhor se adaptam à dinâmica da série.
“Como autora, parto do princípio de que todo perfil é bom e todo conflito, válido. Mas, como Sessão de Terapia é uma obra de ficção, o personagem tem que estar a serviço do entretenimento”, explica. Já aconteceu de certo personagem ser tão complexo que a roteirista não conseguiu desenvolvê-lo em sete episódios.
O que se faz numa hora dessas? “Coloco o personagem de lado”, responde. Definidos os perfis, Jaqueline cria os personagens, desenvolve suas tramas e monta as escaletas. Volta e meia, tira dúvidas com Goldenberg. “Dependendo do que ele disser, mudo a história de um personagem. Ele tem plena liberdade para dar pitacos”, diz.
Jaqueline não trabalha sozinha. Ela coordena uma equipe de cinco roteiristas: Emilio Boechat, Ricardo Inhan, Marília Toledo, Luh Maza e Ana Savassi. São eles que, ao longo de 35 episódios, de 25 minutos cada, ajudam a contar as histórias de Chiara Ferraz, uma comediante com 20 milhões de seguidores nas redes sociais que não aceita o diagnóstico de depressão; Guilhermina Nowak, uma adolescente que, filha de um casal interracial, sofre bullying no colégio; Nando Batista, um executivo que perde o interesse sexual na mulher depois que ela faz sucesso como escritora; e Haidée Ortiz, uma aposentada que, viúva e mãe de dois filhos, não vê mais sentido na vida e pede ajuda do terapeuta para morrer.
“Já recebemos muitas mensagens de telespectadores. A maioria diz que se identificou com um ou outro episódio e, por esse motivo, começou a fazer terapia. Saber que a série ajuda o público a levar uma vida melhor dá uma aquecida na alma”, afirma a roteirista.

“A maior das patologias é a normalidade”

Sessão de Terapia não é a única série brasileira a “ajudar o público a levar uma vida melhor”. Outro bom exemplo disso é Psi, criada pelo escritor e psicanalista Contardo Calligaris e exibida pelo canal HBO. Desde 2014, quando estreou, já teve quatro temporadas e chegou a ser indicada ao Emmy. O protagonista da série, o psicanalista Carlo Antonini, interpretado pelo ator Emílio de Mello, foi extraído de dois romances de Calligaris: O Conto do Amor (2008) e A Mulher de Vermelho e Branco (2011).
Diferentemente de Sessão de Terapia, todos os casos retratados em Psi são reais – a maioria deles da clínica de Callegaris, em São Paulo. “O preconceito que me interessa ‘superar’, mais que ‘terapia é coisa de maluco’, é aquele que afasta de nós os ‘malucos’. Talvez a doença mental mais irremediável seja a normalidade. Por sorte, ela é muito rara”, afirma o psicanalista e escritor.
Mas, afinal, a quem se destina a psicanálise? São muitas as respostas. A psicanalista Cristiane Rangel cita três situações: não conseguir romper um relacionamento abusivo, estar insatisfeito com o trabalho e boicotar-se rotineiramente. “Em geral, ela é bem-vinda diante do reconhecimento de estar sofrendo além da conta ou de ter uma vida aquém de suas possibilidades”, resume.
O caminho trilhado por paciente e terapeuta, porém, nunca é fácil. Ou rápido. Ou indolor. “Terapia dói”, diz a personagem Chiara Ferraz, da atriz Fabiula Nascimento.
E Cristiane concorda. “É natural que se tente aliviar o sofrimento emocional com caminhos mais curtos, como livros de autoajuda ou técnicas de pensamento positivo. Tais recursos até trazem alívio, mas não geram mudanças”, avisa a psicanalista. “A crítica é sempre em relação ao tempo que uma psicoterapia leva para fazer efeito. Não podemos esquecer que precisamos de tempo para realizar vínculos de confiança e promover mudanças em nossas vidas”. Até porque a vida real nem sempre tem o ritmo de uma história na TV.

Matéria original

Se você ou alguém que você conhece está passando por um problema psicológico, saiba que a Psicoterapia  (realizada por psicólogos credenciados) pode ajudar bastante na compreensão de problemas emocionais como este. 

A Terapia serve para que as pessoas tenham ajuda emocional, apoio psicológico para lidar com problemas da vida em geral, como ansiedade, depressão, fim de relacionamento, luto, amor patológico, etc. 

Entenda como funciona uma sessão de terapia.

Quem pode se beneficiar da Psicoterapia: pessoas em geral, não necessariamente pessoas com transtornos mentais,


Convido você a vir conhecer meu trabalho, ou indicar a quem precisa. Meu objetivo como Psicologa e Psicoterapeuta é ajudar as pessoas a entenderem melhor a si mesmas, colaborando para que tenham qualidade de vida afetiva e emocional.

Meu consultório de Psicóloga fica na Vila Mariana, Zona Sul de SP

Agende uma consulta Gratuita psicológica

Pelo link

 Agenda OnLine

Por Whatsapp

(11-99984-9910)

Por Email

contato@psicoterapia-sp.com.br

Endereço


Rua Domingos de Moraes, 770
Bloco 01 - Sala 05 - Sobreloja (SL)
Metrô Ana Rosa 
Em frente ao McDonalds

Horário de atendimento

Seg-sexta:
Sábado:
7:00 - 23:00
7:00 - 21:00








Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas deste blog

A dificuldade em mostrar sentimento

O que é a dificuldade de relacionamento?

Diferença entre: atração, desejo, paixão e amor.

Psicóloga que atende convênio Bradesco

Chantagem emocional: o que é e como lidar na Psicologia

Sulamérica Psicólogos Recomendados em São Paulo

Plano de saúde cobre psicólogo

Psicóloga Clínica na Vila Mariana, São Paulo, SP

Dificuldade de Relacionamento - Psicologa sp

A ♥ romantização do trabalho