Não brinque com o sentimento alheio



"Brincar" com o sentimento alheio: é uma expressão de que pode ser interpretada de várias formas, e abrange comportamentos inadequados como jogos de sedução, testes de atenção, guerra de nervos, disputa de poder, etc..
Não brinque com o sentimento alheio
Jogo de sedução:
Exemplo: algumas pessoas que  terminaram seus relacionamentos  e passam por momentos de recaídas podem "sair por aí", a fim de seduzir pessoas, apenas para garantir por algumas horas sua sobrevivência emocional; uma vez satisfeitas, descartam a outra parte, sem considerar que criaram esperanças no coração do outro.

"se o outro se apaixonou o problema é só dele, e não tenho nenhuma responsabilidade nisso" 
Mas isso não é uma atitude madura: temos sim, a responsabilidade ética pelo que o outro sente em nossa presença, com base naquilo que emitimos. 

Nos jogos de sedução, utilizam-se ferramentas como a persuasão, elogios falsos, verdades ampliadas, mentiras sinceras, cuja finalidade é fazer o outro se apaixonar, mesmo quando não há real intenção de levar o relacionamento adiante

Teste de atenção:
Guerra de nervos:
Disputa de poder
Não brinque com o sentimento alheio, na hora de reatar relacionamentos.



Muito comum em pessoas que estão com a autoestima fragmentada e precisam urgentemente reconstruí-la, e para isso começam a seduzir as pessoas mais próximas, ou ex namorados (as), a fim de verificar se são merecedoras da atenção, elogios e aceitação dos outros. Quando recebem um retorno positivo, descartam o outro.

Sei que muitos dirão que 




Prática muito comum nas redes sociais e se dá quando alguém que está carente de atenção, afeto e aceitação, faz postagens nas redes a fim de mobilizar o sentimento do outro, geralmente disseminando raiva e sofrimento.

Consiste em provocar situações que visam desestabilizar emocionalmente a outra parte. Nesta categoria podemos incluir as provocações de ciúme, de inveja, a tendência a inferiorizar o outro, menosprezando suas opiniões, sua identidade, sua classe social ou intelectual, etc.

(Tratando do tema dentro das relações afetivas), 
As disputas de poder têm como finalidade levantar a autoestima por meio da imposição de regras na relação (diferente das negociações de interesses). É algo como "eu mando, você obedece. Não obedece? não me ama".


Passe em revista seus reais sentimentos antes de procurar pela outra pessoa.

Em muitos casos a carência afetiva extrema pode conduzir as "brincadeiras afetivas", provocando mais dor e mais sofrimento


Evite procurar o outro se não tem intenção de reatar a relação de forma sincera -  pois quando procuradas depois de um rompimento as pessoas imaginam a possibilidade de reatar a relação afetiva e se preparam inconsciente [ou consciente] para isso - E quando isso não ocorre ficam com a sensação de foram enganadas novamente rejeitadas

Portanto seja sensato [a]. Não procure a outra pessoa se não estiver com sinceras intenções de reatar. Buscar pelo outro apenas para testar seu poder de aceitação é uma atitude muito egoísta.

Não brinque com o sentimento alheio
voltar com o ex
esquecer um amor
brincar com sentimentos
psicologa vila mariana
psicologa online
sentimentos
Psicologa bradesco
x

Postagens mais visitadas deste blog

Como lidar com mágoas

O que é depressão e como tratar?

"Cadê minha alma gêmea?" - A busca pelo relacionamento perfeito

A dificuldade em mostrar sentimento

Ser otimista é melhor para a saúde do coração,

A ♥ romantização do trabalho

Preço Acessível | para Reembolso

Psicóloga que atende convênio Bradesco

Psicólogo que atende Bradesco Saúde por reembolso de consultas

Relacionamentos dificeis

Postagens mais visitadas deste blog

Psicóloga que atende convênio Bradesco

A dificuldade em mostrar sentimento

Como lidar com o rompimento de uma relação afetiva

Mecanismos de defesa nas relações afetivas

Será que você é amado (a) de verdade?

A necessidade de aceitação na Psicologia

05 fases do luto afetivo

Relações afetivas adoecidas: como lidar com relacionamentos difíceis.

07 sinais de amor patológico ❖Psicóloga sp

A blindagem contra apego na psicologia