psicologa sp , Psicóloga perto de mim, consulta com psicologa, psicologa preço, psicologa valor, psicóloga preço, psicólogo valores, consulta psicólogo valor, psicólogo preço, psicologa perto de mim,psicologo perto de mim, Psicóloga perto de mim, psicólogo presencial sp, psicóloga São Paulo, psicólogo consulta, psicólogo zona sul sp, Psicólogo Zona Leste sp, melhores psicólogos de sp, Psicóloga Av. Paulista, Indicação de Psicóloga SP, poderá agendar uma consulta com psicologa presencial.

Como a Psicologia entende o papel das mães:


Como a Psicologia entende o papel das mães:

A questão da maternidade na psicologia, destacando diferentes perspectivas e concepções. 

Inicialmente, é mencionada a ideia de que a obrigação de ser mãe acima de tudo é uma imposição da sociedade patriarcal, que perpetua a ideia de um instinto materno e um amor espontâneo pelos filhos.

Essa concepção é criticada por Badinter, que considera que essa pressão é mais uma imposição social do que uma realidade biológica.

A visão do psicanalista Dr. Winnicott,  descreve três tipos de mãe: a invasiva, que sufoca o filho; a "geladeira", que é distante e desconhece o filho como indivíduo; e a mãe suficientemente boa. A mãe suficientemente boa é aquela que permite ao bebê ter uma continuidade de ser, respeitando sua individualidade, sem invadi-lo ou se distanciar demais.


O papel das mães na evolução dos individuos.


O papel das mães na evolução dos indivíduos é ressaltado, pois são os pais que fornecem as primeiras referências de vida, valores morais e tradições. 

No entanto, à medida que as pessoas crescem e interagem com o mundo fora do ambiente familiar, novos valores e mentalidades são formados, o que pode gerar conflitos com os pais.

É reconhecido que as mães também cometem erros, injustiças e atitudes egoístas, pois são seres humanos em constante aprendizado e desenvolvimento. 

A intenção por trás das ações é valorizada, e é destacado que a comparação entre as mães dos outros pode levar os filhos a sentirem vergonha ou desvantagem em relação às outras mães.


Os filhos narcisistas.


Para aqueles que se encaixam nesse padrão e sentem vergonha da mãe ou da situação familiar, é sugerido que considerem fazer terapia para aprender a aceitar as pessoas como elas são e abandonar a busca pela perfeição, buscando assim uma maior felicidade pessoal.


De onde vem a "Culpa materna"

A reflexão sobre a obrigação de ser mãe e como essa expectativa é perpetuada na sociedade. Borges (2009) enfoca a ideia de que as mulheres são socialmente pressionadas a possuir um instinto materno inato e um amor espontâneo pelos seus filhos. 

No entanto, Badinter (1985) critica essa concepção, argumentando que essa imposição é uma construção da sociedade patriarcal, atribuindo à mulher a função de sentir um amor absoluto pelos filhos para cumprir seu papel materno.

Autoras como Badinter (1965), Dolto (1984) e Chodorow (2002) apresentam a visão de que a maternidade não é um instinto feminino natural, como foi amplamente concebido em diferentes períodos históricos, mas sim uma construção sociopolítica imposta pela sociedade patriarcal para definir o papel da mulher na sociedade. 

É evidente que esse papel está em constante mudança ao longo do tempo, pois as mulheres contemporâneas possuem interesses e objetivos que vão além do tradicional papel de ser dona de casa e cuidadora da família.

É importante compreender a maternidade não apenas como resultado de uma construção social, mas também como o resultado das relações estabelecidas entre a mulher e suas referências femininas, bem como do modelo parental ao qual ela foi exposta. 

Nesse sentido, o texto sugere que se a responsabilidade pela criação dos filhos é atribuída inteiramente às mulheres, também recai sobre elas a culpa por quaisquer problemas ou desvios comportamentais que possam ocorrer.

Essa reflexão nos convida a repensar os estereótipos de gênero e os papéis atribuídos às mulheres na sociedade, reconhecendo que a maternidade não é uma obrigação absoluta, mas uma escolha individual. Além disso, é fundamental considerar que a responsabilidade pela criação e educação dos filhos deve ser compartilhada de forma equitativa entre pais e mães, promovendo uma dinâmica familiar saudável e igualitária.

O Papel da mãe na sociedade patriarcal

A sociedade patriarcal desempenhou um papel significativo ao fortalecer a ideia de culpa materna, atribuindo às mães a responsabilidade pelos aspectos morais e comportamentais de seus filhos. No entanto, essa pressão sobre as mães é questionada, levando em consideração os limites da influência materna sobre o caráter e a moral dos filhos.

Com a entrada das mulheres no mercado de trabalho, muitas mães passaram a contar com o auxílio de creches ou cuidadoras para a criação dos filhos, o que resultou em um distanciamento entre a mãe e seus filhos. Essa situação se deu por diversos motivos, como o abandono do pai das crianças ou a necessidade da mãe trabalhar para garantir a subsistência da família.

No entanto, é importante reconhecer que, quando os indivíduos atingem a idade adulta, eles são responsáveis por suas próprias escolhas e ações. Isso inclui aqueles que foram criados por mães abusivas. Nossas mães nos dão o que têm para oferecer, e cabe a cada um de nós decidir como lidar e fazer uso do que recebemos delas. Essa perspectiva enfatiza a importância do nosso papel ativo na construção de nossa própria vida, independentemente das circunstâncias nas quais fomos criados.





Leia também: Como lidar com a culpa maternaSaiba mais a culpa materna, Como não se sentir rejeitado(a) por sua mãe


O Mito do Amor materno

a ideia do mito do amor materno surgiu no Iluminismo e foi difundida por Jean-Jacques Rousseau, enaltecendo o papel das mulheres como mães. 

Essa associação da maternidade com o divino e a imagem da Virgem Maria influenciou as representações simbólicas e práticas culturais relacionadas à maternidade. 

No Brasil, durante o período colonial, a maternidade foi valorizada como um meio de "domesticar" as mulheres e preencher as lacunas demográficas do país. 

A Igreja também desempenhou um papel importante na promoção do ideal materno, opondo-se ao aborto e a métodos contraceptivos. 

As mulheres que se tornavam mães eram vistas como exemplos de força e felicidade, mesmo diante das dificuldades enfrentadas. Esses ideais maternos ainda permeiam o comportamento das mulheres brasileiras atualmente. 

A autora Mary Del Priore destaca que a mãe foi transformada em uma auxiliar do sacerdote, obediente, dessexualizada e destituída de paixões, contribuindo para a formação do ideal materno contemporâneo.

Fontes:

BORGES, MARIANA. A mãe winnicottiana e os aspectos que compõem seu ambiente no maternar. Disponível em https://repositorio.ufu.br/bitstream/123456789/23335/1/M%C3%A3eWinnicottianaAspectos.pdf

IUNGANO, Elisa Motta; TOSTA, Rosa Maria. A realização da função materna em casos de adoecimento da criança. Bol. - Acad. Paul. Psicol.,  São Paulo ,  v. 29, n. 1, p. 100-119, jun.  2009 .   Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-711X2009000100009&lng=pt&nrm=iso>. acessos em  21  set.  2021.

Seminário Internacional Fazendo Gênero 10 (Anais Eletrônicos), Florianópolis, 2013. ISSN 2179-510X. 
https://www.fg2013.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/20/1373138836_ARQUIVO_maeainvencaodahistoria.pdf


Postar um comentário

0 Comentários

Como agendar uma consulta com a Psicóloga em São Paulo, SP .

Quero cuidar da minha saúde mental 

Para agendar sua consulta com a Psicóloga e receber acolhimento humanizado, você pode optar pela Psicóloga online ou presencial.
Clique nos botões abaixo.
 
psicologa sp, Psicóloga SP, psicóloga perto de mim. Psicóloga em São Paulo, Psicóloga online,  psicóloga preço, consulta com psicóloga, Psicóloga Bela vista, psicólogo zona sul sp, psicólogo centro sp, psicólogo online, psicólogos em são Paulo, Psicologo SP.


Caso a agenda não mostre um horàrio adequado às suas necessidades, entre em contato e agende direto com a Psicóloga sp.

WhatsApp - (11) 95091-1931- Email: contato@psicologa-sp.com.br
Agende consulta psicológica . psicologa, psicologa preço, consulta com psicologa valor, psicologa sp, psicologa perto de mim, psicologa online, psicologa presencial, Psicóloga Bela Vista, Psicólogos perto de mim, 

Quem leu estes artigos, se interessou por: