Coronavírus - IMPACTOS EMOCIONAIS: Medo, ansiedade, raiva, estresse

dVou começar este tópico deixando de lado a discussão sobre a toxidade do vírus COVID-19, e seus impactos na saúde humana. Acredito que os milhares de profissionais da área da saúde física (médicos, enfermeiros, pesquisadores, etc) saberão falar com mais propriedade do que eu, uma profissional da saúde mental, poderia falar.

Para quem quer saber mais sugiro estes links:

Organização Mundial da Saúde



Impactos econômicos do Coronavírus

Também não sou a pessoa mais indicada para falar sobre os impactos econômicos desta pandemia.  Haverão, sem dúvida, mas não gosto de "achismos" ou de sensacionalismo", nem de fake news que tendem a aumentar a dramaticidade da situação e espalhar o terror.
Minha orientação neste sentido é que não acredite em tudo o que lê. Questione, reflita, leia de novo, busque mais fontes de informações e analise melhor tudo o que puder.


O que pretendo tratar aqui são dos impactos EMOCIONAIS que a atual situação tem causado



Impactos emocionais

Sigmund Freud falou em 1921 sobre Histeria de Massas  EM SEU LIVRO Psicologia das massas, (Freud, 1921), fenômeno que leva multidões a desenvolverem os mesmos sentimentos, diante de um único fenômeno. Verificamos isto em jogos de futebol, copas do mundo, olimpíadas, eleições, catástrofes, etc.

Nesta obra Freud aponta que 


Toda boataria tras um fundo de verdade.
Coronavírus -  IMPACTOS EMOCIONAIS: Medo, ansiedade, raiva, estresseE não dispomos de muitos elementos para pensar sobre alguns fenômenos de imediato.

Reflexão é algo que leva tempo.
Mas as perguntas estão aí: o que faremos? como agiremos? de que forma podemos contornar a situação?

Pergunta após pergunta, a ansiedade vai aumentando como um rio que vai enchendo gota a gota.

Depois da ansiedade, vem o estresse; e o estresse compartilhado tende a levar à histeria coletiva.

Neste momento de tensão é importante manter a calma.
Fazer apenas o que for possível.
Considerar que o mundo já passou por catástrofes piores e sobreviveu. (algumas catástrofes trouxeram grandes avanços)


Mudanças de contexto

As mudanças de contexto repentinas ajudam o aumento da perplexidade: como dormir em Las Vegas e acordar no Saara....

O susto que as pessoas estão levando diante das noticias, e a imposição (ou sugestão) das autoridades para que as pessoas evitem sair de casa, está causando muito (mas muito desconforto)

Dificuldade de ficar isoladas

Em situações normais, já é difícil para as pessoas ficarem isoladas: soma-se a isso o boom de noticias ruins que entram na nossa bolha forçada de isolamento a todo instante: o resultado não poderia ser outro: ansiedade.

Diante do isolamento forçado, o que resta ao ser humano é entrar em contato consigo mesmo, e isso trás a tona dores, angústias, sonhos frustrados, coisas que as atividades cotidianas encobrem. 

Ninguém tem tempo para pensar nos sonhos esquecidos numa semana normal, quando é preciso acordar as 5h da manhã, tomar banho e sair correndo para bater o ponto as 8h e sair as 17h para estar na faculdade as 19h, chegando em casa as 23h quase moribundo de tanto cansaço.

Mas, no isolamento é o que resta.

Não fomos culturalmente educados para o isolamento; ao contrário, somos constantemente convidados(as) para viver na sociedade e participar de tudo o que nela acontece, ainda que isto não traga nada de especial, e muitas vezes nos levam em direções destrutivas.

É sempre bom estar junto as pessoas, trabalhando, se divertindo, estudando, praticando esportes. 
Vida é isto.

Porém, em momentos como este em que não podemos (ou não devemos) seria bom arrumar coisas construtivas para fazer, ao invés de nos deixarmos arrastar pelas mãos impiedosas do estresse e da ansiedade:

Minha sugestão é que leia um livro, assista um bom filme; fique em casa dando e recebendo atenção das pessoas que ama; aprendendo alguma coisa nova; arrumando suas coisas; dando atenção para si mesmo(a).

Use o isolamento a seu favor.

Aumento da Ansiedade


A ansiedade aumenta neste contexto.
Estamos numa bolha de incertezas.

Mas, certamente tudo se ajustará: a humanidade tem funcionado assim desde o primeiro sopro de vida, ou seja, somos dotados de inteligência para lidar e supear a as situações catastróficas.

Sairemos dessa, com certeza.


Conselho:

Não é aconselhável falar como pessoa, mas neste momento em que muita coisa saiu do lugar, vou sair do lugar de psicóloga e falar como pessoa também (afinal, sou uma pessoa como você).

Eu estou evitando: 

  • Noticiários sensacionalistas e buscando um noticiário mais "técnico";
  • Ouvir ou fazer comentários que possam deixar as pessoas alarmadas;
  • Ampliar as consequências dos fatos;
  • Sair à rua sem necessidade;
  • Beijar, abraçar ou tocar nas pessoas;



Estou buscando:

  • Filtrar as informações (observem que estou atendendo normalmente, portanto tenho uma responsabilidade social dobrada neste momento)
  • Manter meus cuidados pessoais dentro da normalidade;
  • Manter minha alimentação saudável (quem me conhece sabe que eu levo muto a sério isto);
  • Lavar as mãos e usar Álcool em gel. (Está caro, eu sei, mas paciência. Tem hora que a gente não discute preço. Simplesmente pagamos).
  • Trocar de roupas ao chegar da rua;


e nos raros momentos de folga, busco ler algum livro que me agregue algum conteúdo e sirva para minha edificação pessoal e para que eu possa continuar ajudando as pessoas, especialmente neste momento delicado.


Você sabe que pode contar comigo, ok?
Fica em Paz!
Se cuida.



Para saber mais:


Comentários

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas deste blog

A dificuldade em mostrar sentimento

O que é a dificuldade de relacionamento?

Psicóloga que atende convênio Bradesco

Diferença entre: atração, desejo, paixão e amor.

Preço | Reembolso |Terapia

09 dicas de psicólogos para identificar relacionamentos abusivos

A síndrome do Super-Herói

A ♥ romantização do trabalho

Carência afetiva: o que é e como lidar?

Emoções ruins são contagiosas. Entenda o motivo.