➮Terapia cognitivo comportamental -TCC


 Terapia Presencial ou Online
 Agende uma sessão de terapia gratuita online ou presencial, com a Psicóloga Maris V. Botari, no consultório de psicologia da Vila Mariana, em São Paulo, SP.
 Psicóloga Credenciada do CRP-SP para realizar terapia online


 Agende uma sessão gratuita de acolhimento



Terapia cognitivo comportamental 

Modelo de terapia  que visa tratar de distorções de pensamentos e crenças, favorecendo a modificação de comportamentos.

A Terapia Cognitivo Comportamental é um tratamento psicológico de curta duração e efeitos mais rápidos, pois busca tratar um problema de cada vez. Indicada para casos de depressão, ansiedade, dificuldade de relacionamento, estresse e para quem quer perder peso. 




    Como funciona a Terapia Cognitivo-Comportamental

    Na clínica psicológica, os primeiros atendimentos visam o estabelecimento de vínculo, pois não existe a menor possibilidade de trabalho se não houver aliança entre o terapeuta e o cliente. Deixo o cliente a vontade para falar de si mesmo e suas queixas.

    A Psicoterapia é focada na

    • identificação modificação de Pensamentos disfuncionais, 
    • identificação e modificações de crenças - sobre si mesmo, o mundo, e o futuro,
    • identificação e modificação de comportamentos que lhe trazem prejuízos,
    • Como material de apoio utilizo a música, os filmes, leituras, desenhos, pinturas, etc.

    Psicóloga do comportamento: FAP - Psicoterapia Analística Funcional

    O processo psicoterapêutico passa por três momentos: os CRB's (Clinical Relevant Behavior - Comportamentos clinicamente relevantes)

    1. CRB1 -  quando o paciente consegue expor aquilo que lhe incomoda;
    2. CRB2 - é o momento do Inshight, quando o paciente compreende o porquê de suas angústias;
    3. CRB3 - modificação de comportamento propriamente dita. 


    Artigo publicado no Portal PEBMED em 29/04/2019 sobre a Terapia cognitivo comportamental.



    A terapia cognitiva procura detectar, analisar e modificar esses pensamentos automáticos e crenças, oferecendo uma forma mais adaptativa de pensar e ver as coisas, as ocorrências cotidianas. Quando o paciente aprende a identificar e corrigir seus pensamentos disfuncionais, normalmente o seu humor melhora e as suas atitudes perante a vida ficam mais adequadas e otimistas.
    Normalmente, os pensamentos automáticos desadaptativos situam-se relacionados a três áreas que Aaron Beck chamou de tríade cognitiva:
    • A própria pessoa (o self): “eu não sou capaz”, “eu não mereço ser amado(a)”.
    • O mundo e os outros: “O mundo é um lugar perigoso”, “as pessoas não são confiáveis”
    • O futuro: “as coisas nunca darão certo”, “não vejo saída para mim”
    Mas você pode estar se perguntando agora: como surgem esses pensamentos automáticos? Por que, às vezes, pensamos, sentimos e nos comportamos de maneira inadequada, experimentando sofrimento?
    Normalmente, a maioria de nós leva uma vida razoavelmente operacional, com certa dose de otimismo, esperança, realizando tarefas e cumprindo deveres. Entretanto, diante de certas situações ameaçadoras, de uma frustração, de uma perda, de uma decepção, podemos mudar o nosso humor e reagir a essas situações de modo negativo.
    Cada ser humano, em função da sua predisposição pessoal, desenvolve um sistema próprio ou particular de ideias essenciais acerca de si, do mundo, do futuro, das pessoas, da vida. Essas ideias essenciais são chamadas de crenças centrais ou nucleares e se originam desde a infância e a partir da interação com o ambiente. Se o indivíduo as alimenta e mantém, pelo processo de repetição das experiências nas quais elas surgiram, tornam-se ideias rígidas, inflexíveis, globais, generalizadas, difíceis de serem modificadas e que repercutem com maior ou menor intensidade no nível do pensamento, na emoção e no comportamento. Podem ser de três tipos:

    1. Crenças de desamor

    • “Não mereço ser amado(a)”
    • “Não sou atraente”
    • “As pessoas não gostam de mim”
    • “Nunca serei feliz ao lado de alguém”

    2. Crenças de Desvalor

    • “Sou incompetente”
    • “Sou incapaz”
    • “Sou inútil”
    • “As pessoas se saem sempre melhor do que eu”
    • “Não faço nada certo”

    3. Crenças de desamparo

    • “Sozinho não consigo dar conta de mim”
    • “Necessito que os outros me aprovem para que eu seja feliz”
    • “Sou desajeitado(a)”
    • “Melhor concordar sempre com as pessoas, assim elas não me abandonarão”
    Essas crenças essenciais geralmente ficam ocultas em nosso inconsciente, operando em silêncio e produzindo uma maneira muito própria de vivermos, de concebermos a nós mesmos, o mundo, o futuro e as pessoas ao nosso redor. Essa maneira própria de vivermos, que se constitui a partir das crenças centrais, determina um padrão específico de comportamento que adotamos para tentar “funcionar” no ambiente.
    Existe também outro padrão de crenças, consideradas mais superficiais e acessíveis à consciência chamadas de intermediárias ou periféricas e que podem se apresentar como:

    Regras

    • “Devo ser perfeito em tudo que faço”
    • “Tenho que fazer tudo certo sempre, senão eu não suporto”
    • “Não aceito críticas em hipótese alguma”

    Atitudes ou posturas mentais

    • “É horrível ser incompetente”
    • “Como é triste ser inadequado”
    • “Para evitar confusão, sempre é bom ficar calado”

    Suposições

    • “Se eu der duro, poderei alcançar um bom nível na escola”
    • “Se eu tirar boas notas, meus pais me amarão mais”
    • “Se eu me afastar dos outros, eles não vão perceber as minhas fraquezas”
    Agora observe o esquema a seguir:
    Amanda vai para casa desanimada porque não se saiu bem nos testes de gramática. Alcançou uma média abaixo do esperado.
    Situação
    Tirou uma nota baixa em gramática
    Precisa melhorar o desempenho

    Pensamentos automáticos

    • “Essa nota baixa indica o meu fracasso”
    • “Isso não é para mim”
    • “Essa matéria nunca entrará na minha cabeça”
    • “Como é difícil aprender gramática. Não vou conseguir”

    Emoções

    • Tristeza, frustração

    Comportamento final

    • Fecha o livro e desiste de estudar
    Esse modo distorcido de ver as coisas ocorreu porque o terapeuta identificou que Amanda possui como crenças subjacentes e centrais:

    Crença central

    • “Eu sou incompetente”
    Crenças intermediárias(Atitudes, regras, suposições)
    • “Se não entendo algo perfeitamente, então eu sou burra”
    • “Devo acertar sempre na vida”
    • “Gramática é o meu grande inimigo”
    Esse é o esquema do modelo cognitivo. Observe que os pensamentos que Amanda elaborou em sua mente foram os controladores e propulsores da perturbação emocional e do comportamento final inadequado, já que ela abandonou, pelo menos momentaneamente, os estudos de gramática, perdendo a oportunidade de se dedicar um pouco mais e, dispensando atenção e confiança em si mesma, absorver o conteúdo da matéria com segurança.
    Façamos uma avaliação breve do contexto de certas crenças e sua influência sobre os sentimentos e comportamentos. Acompanhe conosco a avaliação de um caso individual:
    Penélope tem a crença (que nem sempre é consciente, mas a faz sofrer): “Sou um fracasso em tudo a que me proponho fazer”. Pelo fato de possuir essa crença central muito rígida, ela assume algumas regras de vida: “Devo me esforçar ao máximo para conseguir alguma coisa na vida” ou, ao contrário, “o melhor que faço é não esperar muito de mim”; ela também toma algumas atitudes ou posturas mentais como verdadeiras: “como é terrível ser um fracasso” ou “quem tentar estudar comigo se dará mal. Eu atrapalho todo mundo”; por fim, supõe: “se eu me afastar das pessoas, ninguém notará o quanto sou fraca” ou “se me matar de trabalhar, atingirei meu objetivo”.
    Assim, ela pode enfrentar essas crenças negativas afastando-se das pessoas ou dependendo delas, trabalhando arduamente ou evitando desafios e tarefas, cobrando-se um alto nível de desempenho ou desistindo de si mesma.
    Em outro exemplo, Polyana tem a crença: “nunca terei a chance de ser amada por alguém”. Essa crença generalizada, de que ela não tem a menor certeza, mas que acredita como um dogma, também padroniza nela algumas regras de vida: “devo ser aprovada por todas as pessoas” ou “todos deveriam gostar de mim”; da mesma maneira, toma algumas atitudes como reais: “como é terrível não ser amada. Acho que não suportaria passar por isso” ou “é muito difícil não ser aceita pelos outros”, então, supõe: “só posso ser feliz se todos me aceitarem” ou “não poderei me realizar como pessoa a não ser que eu seja reconhecida e amada pelos outros”.
    Mais uma vez, ela pode enfrentar essas crenças de várias maneiras: agradando demais os outros ou os desprezando, fazendo tudo para chamar a atenção das pessoas ou as evitando para não se magoar, cobrando afeto a todo instante ou ferindo os sentimentos das pessoas, etc.
    A terapia cognitiva pode ajudar as pessoas a resgatarem essas crenças ou concepções arraigadas, examiná-las cuidadosamente e modificá-las para concepções mais adaptativas e reais.
    Nem todos os pensamentos ou ideias que fazemos a nosso ou a respeito dos outros é verdadeiro. Pelo fato de pensarmos sobre algo como verídico e irrefutável, não significa propriamente que ele o seja. E quando, realmente, constatamos que alguma coisa saiu errada, de certo, podemos alterá-la para melhor, para uma condição mais favorável. Usando os recursos do tempo, da paciência e da perseverança, atingiremos qualquer objetivo que desejarmos.
    Vamos analisar novamente o caso que citamos acima aplicando os conhecimentos adquiridos:
    Janete desejava alcançar a oportunidade de um emprego novo. Estava em vias de consegui-lo, pois, havia sido chamada para uma entrevista. Entretanto, pensou: “isso não vai dar certo. Essa entrevista será um desastre”. Ficando muito ansiosa, deixou passar a tal oportunidade.
    Mas se no momento no qual Janete tivesse esse pensamento negativo, ela respondesse ao pensamento, refletindo: “espere um minuto. Não preciso pensar assim de modo tão destrutivo. Não me conduzirá ao que eu desejo. Eu me preparei para essa entrevista, meu currículo é competitivo e eu preencho os critérios para o emprego. Não estou aqui por uma aventura sem medidas. Por que estou preocupada? O que me demonstra que me sairei mal? Que evidências eu tenho que essa entrevista será vergonhosa? Na verdade, tenho tudo para me sair bem.
    O que há de ruim em tentar uma colocação? Será que não tenho o mesmo direito que os outros candidatos? Além disso, o que de pior poderia acontecer? E se eu não me sair bem? Onde está o problema? Posso perfeitamente buscar novas oportunidades em outros lugares. Este emprego é importante, eu gostaria de alcançá-lo, seria muito bom entrar nessa empresa, mas posso superar uma resposta negativa, se ela acontecer. Pior é não tentar de algum modo. Aí é que eu nunca saberei do resultado”.
    Essa visão mais adaptativa e serena da situação permitiria que Janete enfrentasse de maneira efetiva a entrevista, embora, naturalmente, não desaparecesse de todo a ansiedade.
    Podemos citar outro exemplo para contribuir com sua assimilação:
    Seu chefe o chama em sua sala e declara que você está demitido. É claro que essa não é uma situação agradável. Sua reação natural será de tristeza, apreensão e desgosto.

    Digamos, porém, que você pense

    • “Isso não deveria ter acontecido”
    • “As pessoas são sempre cruéis com os outros”
    • “Eles não deveriam ter feito isso comigo”
    • “Sou um fracasso naquilo que procuro fazer”
    • “Nunca mais conseguirei um emprego na vida”
    Em seguida, seu humor piora e você fica angustiado, tenso, deprimido e decide:
    • “Vou para casa e não tentarei mais nenhuma nova colocação”
    Perder o emprego é uma situação-problema, não há dúvida. Desistir de tudo, no entanto, é uma conduta contraproducente, inibidora de soluções sadias e também derivada, fundamentalmente, de ideias irracionais que foram construídas pessoalmente.

    Essas ideias ou crenças ligadas ao problema específico, provavelmente, seriam:

    • “As coisas devem sempre sair do meu jeito”
    • “Não posso perder o controle das coisas”
    • “Se alguém me fizer sofrer, será o meu fim”
    • “Não posso ser desrespeitado por ninguém. Se isso acontecer, não aguentarei”
    O elevado grau de sofrimento e a desistência de lutar por uma condição melhor não foram motivados pela perda do emprego, mas pela filosofia disfuncional que você nutre intimamente. Ao modificar essa maneira nociva de pensar e interpretar a si mesmo, sua vida, seu cotidiano, suas relações, buscando considerar tudo isso com mais cuidado, sendo mais maleável consigo e com as pessoas, certamente, seria mais feliz e teria muito mais sucesso.
    Nosso comportamento é motivado sempre pelo conceito que formulamos sobre os eventos e as emoções dele resultantes. Erros cognitivos, isto é, maneiras distorcidas (dogmáticas, inflexíveis) de pensar sobre os fatos nos levam a numerosos comportamentos disfuncionais.

    Os principais erros cognitivos que encontramos na prática são:

    • Leitura Mental: Imaginamos ter a capacidade de ler a mente das pessoas. Olhamos para elas ou nos lembramos delas e ficamos a imaginar sem base comprobatória qualquer: “Ele acha que sou um fracasso”; “Na certa, ela está pensando: Como ele é bobo”.
    • Adivinhação: Costumamos também prever o futuro com incrível facilidade, mesmo que nada de concreto seja incrementado às nossas suposições. Achamos que tudo será um desastre, que nada vai dar certo, que as coisas vão “se perder pelo ralo”. Pensamos: “Vou ser reprovado no exame” ou “Não conseguirei o emprego”ou ainda “Isto não dará certo”.
    • Catastrofização: Outras vezes, ampliamos o significado de uma situação a ponto de colocá-la em regime de catástrofe. Cremos que o que nos aconteceu o vai acontecer será “o fim da picada” e não aguentaremos “o baque”, como, por exemplo, “Seria horrível se eu fracassasse”, “Não vou suportar ficar sem ele”, “Minha performance foi horrível”.
    • Rotulação: Atribuímos rótulos com forte inflexibilidade em nossa direção ou na dos outros, dizendo “Sou indesejável”, “Sou um lixo”, “Ele é uma pessoa imprestável”.
    • Desqualificação do Positivo: É comum desvalorizarmos pontos fortes e aspectos positivos existentes em nós e nos outros, atribuindo a tudo uma conotação desqualificada: “Isso aí qualquer um faz”; “Não é mais que a sua obrigação tirar boas notas”; “Esse benefício que consegui foi porque tiveram pena de mim”. Ou ainda quando uma pessoa o elogia: “Você está muito bem vestido” e você responde: “Que nada! Esta roupa é tão velha”.
    • Abstração Seletiva: Diante de uma situação plenamente favorável, focalizamos somente o pequeno percalço no seu decorrer. Por exemplo, após uma apresentação valiosa em seu contexto total, você lembra: “Foi horrível a luz ter apagado por alguns instantes. Estou envergonhado”; após o término de um aniversário bem-sucedido, você recorda: “Viu só? Aquela criança deixou o prato cair na festa. Todos repararam”.
    • Hipergeneralização: Não é raro generalizarmos situações que acontecem endemicamente, por exemplo, “Tinha que acontecer justamente comigo. É sempre assim”; “Ninguém é confiável”, “Nesse mundo só tem fofoqueiro”; “Homem não presta”; “O mundo é dos espertos”.
    • Pensamento Dicotômico: Quando estamos irritados, gostamos de levar as coisas para os extremos, do tipo “Se não for para fazer bem alguma coisa, melhor nem começar”; “Comigo é oito ou oitenta”; “Não aceito meio termo”; “Ou é desse jeito ou é nada”.
    • O dogma dos “Deveria”: Achamos que certas coisas “deveriam” ser de tal modo ou “tem que” se concretizar conforme idealizamos. Por exemplo, dizemos “Eu tinha que ser melhor pai do que sou”; “Isso não deveria ter acontecido”; “Ela deveria ter me contado antes”; “Você deveria ser mais responsável”.
    • Personificação: Tornamo-nos responsáveis por tudo que acontece a nossa volta, como se pudéssemos ser autores dos sentimentos e comportamentos das pessoas. “Ele me olhou estranho hoje. Que será que eu fiz pra ele?”; “Parece que a conversa à mesa esfriou um pouco. Isso é mau pra mim”; “Quando as pessoas estão tristes ou zangadas, fico com receio de as estar perturbando de algum modo”
    • Culpabilizações: Projetamos nos outros responsabilidades que são nossas: “Se eu fiquei assim, foi por causa dela”; “As coisas deram errado porque faltou a contribuição de fulano”; “Se você tivesse me apoiado mais, nossa relação não teria sido esse desastre”.
    • Comparações: Prejudicamo-nos quando nos comparamos às demais pessoas. Comparações são vias de angústia. Exemplo: “Ele sempre foi melhor do que eu em tudo”; “Onde chego para trabalhar, sempre tem alguém fazendo melhor do que eu”; “Vão acabar chamando outro candidato para ocupar o cargo. Eu sou o mais desastrado de todos”.
    • Crítica Retrospectiva: Insistimos em “olhar para trás” sempre que algo não saiu como gostaríamos e nos recriminamos demoradamente: “Se eu tivesse me lembrado de dar a informação, ele teria sido menos grosseiro”; “Não era para eu estar nessa situação vexatória…”; “Deveria ter sido menos exigente. Agora é tarde”.
    • Desculpismo: Há momentos em que persistimos nas ideias “do contra”. Rejeitamos toda proposta que contraria o modo negativo de vermos nós mesmos, os outros, o mundo. “Não acho que seja isso. Tem outros fatores envolvidos”; “Você diz isso porque não o conhece. Ele ‘fez a sua cabeça’ totalmente”; “Você está errado. Deixou escapar o quanto ela é cruel com todos”.
    • Autodepreciação: Encontramos características de personalidade que elegem a autodepreciação como rotina. “Pobre de mim. Acho que não vou conseguir”; “Ela se sai tão bem. Queria ser como ela”; “Vivo me dando mal nos estudos”.

    Autor: Aldeniz Leite da Silva Júnior
    Extraído de https://pebmed.com.br/voce-conhece-a-terapia-cognitivo-comportamental/ em 11/-6/2020







    Quando a PSICOTERAPIA Funciona

    Terapia cognitivo comportamental Quando a PSICOTERAPIA funciona, as pessoas tendem a modificar suas crenças, controlar seus comportamentos e pensar de maneira funcional e serena. 

    Geralmente os pacientes: Desenvolvem as habilidades sociais e tendem a cultivar relações sociais melhores, pois compreendem o que o outro está sentindo, minimizando as dificuldades de relacionamentos;







    ✦Se você busca *Psicólogos de preço acessível*, saiba que eu disponibilizo atendimento acessível em alguns dias. Entre em contato para conhecer as condições.









    Leia também:   

    ·         10 motivos para fazer terapia

    ·         Mitos e verdades sobre a Psicoterapia.

    ·         Como funciona uma sessão de terapia

    ·         Pra que serve a Terapia?

    ·         O que esperar de um Psicólogo

    ·         Quando a terapia funciona

    ·         Como escolher Bons PSICÓLOGOS

    ·         Psicologia online

    ·         Você é uma pessoa especial

    O psicólogo hoje tem uma função mais ativa na sociedade.

    É um profissional que oferece ajuda emocional, afetiva e racional; que ajuda as pessoas a entenderem seus medos, suas raivas, seu stress cotidiano; que ensina a expressar sentimentos como amor, raiva, indignação; que ampara na hora da dor; que motiva; que mostra ao outro suas potencialidades, convertendo defeitos em qualidades, medo em coragem, tristeza em alegria, raiva em amor.

    Quando  procurar terapia?

     

     

    Quando sentir que precisa de um empurrãozinho emocional, ou seja, quando não estiver conseguindo lidar sozinho (a) com algumas coisas. 

     

    Existem fases da vida que realmente é muito difícil atravessar sozinho (a).
    E nestas fases, parece que os amigos somem, o trabalho fica mais difícil e a solidão bate forte.  
    Além disso, nossas forças físicas parecem diminuir, o pensamento fica disfuncional e os sentimentos tendem a ficar cada vez mais confusos.



    Geralmente as pessoas procuram terapia quando:

    Apresentam problemas de relacionamento

    Apresentam problemas de autoestima, autoimagem ou autoaceitação

    Apresentam sinais e sintomas de transtornos mentais

    Apresentam formas disfuncionais de pensar e agir

    Buscam uma reforma íntima:

    Apresentam problemas de estresse no trabalho

    Precisam aprender novas habilidades sociais

    Se você ou alguém que você conhece está passando por um problema psicológico, convido a vir conhecer meu trabalho, ou indicar a quem precisa.

    A Terapia serve para que as pessoas tenham ajuda emocional, apoio psicológico para lidar com problemas da vida em geral, como ansiedade, depressão, fim de relacionamento, luto, amor patológico, etc. 



    Quem pode se beneficiar da Psicoterapia: pessoas em geral, não necessariamente pessoas com transtornos mentais.


    Agende uma consulta Gratuita psicológica clicando aqui


    Psicologa Clínica, na Vila Mariana, zona sul sp.
    Terapia Online e presencial.

    Rua Domingos de Moraes, 770
    Bloco 01 - Sala 05 - Sobreloja (SL)
    Metrô Ana Rosa

    Em frente ao McDonalds

    Psicóloga em SP zona sul, psicoterapia Bradesco, psicologa online, terapia online, terapia preço acessível,psicóloga Amil vila mariana, psicóloga Sulamérica em sp. Tratamento depressão, tratamento para  Ansiedade. Terapia infantil, Casal, Individual, terapia sp, psicologo barato, terapia de casal preço, clinicas de psicologia em sp, psicologos em sp, psicoterapia de casal, psicologos sao paulo, site psicologo,  whatsapp psicóloga online, ajuda emocional, dificuldade de relacionamento conjugal,  consulta psicológica online, psicologo zona sul, terapia para adultos, Psicóloga Sulamérica, PSICÓLOGA Saúde BradescoPsicóloga Amil,  psicólogo SP, Psicologa sp











    Psicóloga Vila Mariana, São Paulo, SP. Psicóloga Bradesco, Amil, Sulamérica

    Psicologa em SP. Atendemos Adultos e Crianças. Terapia Casal, familiar. Atendo na Zona Sul de SP. Agende uma consulta. Terapia de Casal. Terapia Infantil. Agende uma Consulta. Cognitivo Comportamental. Psicóloga na Zona Sul.

    Psicologa Amil sp, Psicologo Amil sp, psicóloga Amil,psicólogo Amil,reembolso,Psicologa bradesco sp,Psicologo bradesco sp,psicóloga saúde bradesco sp,psicólogo saúde bradesco sp,Psicologa bradesco,Psicologa bradesco psicóloga bradesco saúde sp,psicólogo bradesco saúde sp,reembolso,

    Psicologa Sulamerica sp,Psicologo Sulamerica sp,psicóloga saúde Sulamerica sp,psicólogo saúde Sulamerica sp,Psicologa Sulamerica,Psicologa Sulamerica,psicóloga Sulamerica saúde sp,psicólogo Sulamerica saúde sp,Psicologa Sul america sp,

    Psicologa Golden cross sp,Psicologo Golden cross sp,psicóloga Golden cross  psicólogo Golden cross reembolso,
    Psicologa allianz sp,Psicologo allianz sp,psicóloga allianz  psicólogo allianzr eembolso,

    Psicoterapia Amil sp,Psicoterapia Amil,reembolso,Psicoterapia allianz sp,Psicoterapia allianz,  reembolso,Psicoterapia Golden cross sp,Psicoterapia Golden cross, reembolso, 

    Postagens mais visitadas deste blog

    A dificuldade em mostrar sentimento ❖Psicologa SP

    Diferença entre: atração, desejo, paixão e amor.

    Psicóloga por Whatsapp: sempre com você

    O que é a dificuldade de relacionamento? ❖Psicologa SP

    Psicóloga que atende convênio Bradesco

    ❖Terapia Online: uma alternativa excelente

    Atendimento com o convênio Bradesco Saúde

    A dificuldade de relacionamento

    Plantão Psicológico Online 1a. sessão Gratuita ❖Psicologa SP

    A síndrome do Super-Herói

    Postagens mais visitadas deste blog

    A dificuldade em mostrar sentimento ❖Psicologa SP

    Diferença entre: atração, desejo, paixão e amor.

    ❖Terapia Online: uma alternativa excelente

    Psicóloga por Whatsapp: sempre com você

    Atendimento com o convênio Bradesco Saúde

    Psicóloga que atende convênio Bradesco

    A dificuldade de relacionamento

    Sentimentos reprimidos

    Psicólogo que atende Bradesco Saúde por reembolso de consultas

    ❖❖Psicóloga ❖ Convênio ❖ Preço❖ Agenda❖❖

    Formulário de contato

    Nome

    E-mail *

    Mensagem *

    Você precisa de terapia?


    Existem algumas regras para saber se você precisa ou não de terapia:

    Todos precisamos de terapia. Porém não precisa ser a todo momento. Existem situações que é possível atravessar sozinho(a), mas em outras a ajuda emocional oferecida por um psicólogo pode ser muito bem vinda.

    • Quando a ansiedade, o estresse, a depressão, ou a dificuldade de relacionamento estiverem provocando muitos danos emocionais;
    • Quando você estiver perdido em seus pensamentos, sem conseguir achar uma direção, uma resposta para sua vida;
    • Quando o medo estiver maior que a coragem de enfrentar as dificuldades;
    • Quando estiver com vergonha de ser quem você é;
    • Quando a dor da for muito insuportável;
    • Quando seu sono, seu apetite e seu desejo sexual estiver comprometidos;
    • Quando você for vítima de abuso psicológico....
    • Sim, Talvez seja a hora de buscar Terapia.
    Leia mais sobre Terapia




    Nunca Passou na Psicóloga?

    Você nunca passou na Psicóloga? Se gostaria de passar, fique tranquilo porque é normal que você tenha muitas dúvidas.

    Algumas pessoas que nunca passaram por consulta com psicólogos tendem a idealizar a consulta as vezes de forma negativa e isto causa bastante ansiedade.
    Relaxe e venha. Traga para a Psicóloga apenas o que achar válido, afinal o momento é seu. O Psicólogo é um ego auxiliar, alguém que vai te ajudar a pensar nas questões da tua vida.
    A primeira Consulta psicológica dura de 30 a 50 minutos, tempo que o paciente tem para expor seus pensamentos, suas dúvidas, seus anseios, suas dores, etc.

    Se você nunca passou na psicóloga e gostaria de passar agende uma consulta psicológica gratuita