Discutir a relação é útil?

" A linguagem é fonte de mal-entendidos" (Saint-Exupèry)

Alguns relacionamentos afetivos começam quando os pares encontram pontos de afinidade entre si:

 As pessoas se conhecem e tendem a se analisar mutuamente, a fim de observar os pontos que existem em comum, para que possam estabelecer conexões. E geralmente encontram muitos conectores: as ideias são parecidas, os gostos, o padrão de vida, etc.


Psicologa bradesco sp, reembolso, psicólogo, psicóloga saúde bradesco sp, psicóloga sul américa Sp, psicóloga amil sp, psicóloga saúde bradesco sp, psicóloga allianz sp, por reembolso, psicoterapia, primeira consulta grátis, crianças, adultos, casal, vila mariana, são Paulo.




Mas por algum motivo, o relacionamento (que começou bem promissor) começa a sofrer alguns arranhões, que podem se tornar feridas, úlceras, metástases e ir a óbito.

Um destes motivos é a falta de comunicação assertiva: a maioria das pessoas tem dificuldade em expressar sentimentos, emoções e aborrecimentos, e deixam acumular muitas queixas. Mas quando resolver falar, soltam tudo aquilo que ficou reprimido.

As discussões entre casais raramente são produtivas, ao contrário, tendem a destruir a comunicação e o respeito, pois no calor do momento, muitas acusações (geralmente infundadas) são feitas, e isto vai minando o relacionamento pouco a pouco.

Os principais motivos que levam os casais a discutirem são:

  • Ciúme - as pessoas não conseguem se controlar quando percebem que seu parceiro (a) está em contato com alguém (supostamente) interessante;
  • Desorganização: - Falta de organização não é um problema fora da relação; mas dentro, pode levar ao divórcio. Isto ocorre porque os conceitos de organização, a forma e a estrutura da ordem são diferentes em todos nós: aquilo que para uns é uma baderna, para outros está na mais perfeita ordem. Porém, muitas pessoas não compreendem que o outro é diferente, e querem moldá-los dentro de seus rígidos (ou neuróticos) padrões de organização.
  • Inveja: Acredite: é um sentimento comum entre casais, sim! Quando um dos pares começa a prosperar em algum setor da vida, pode levar o outro a desenvolver um sentimento de inveja, camuflado de preocupação;
  • Falta de comprometimento: Para algumas pessoas, a noção de compromisso é válida unilateralmente.  São aqueles que fazem muitas exigências, mas são incapazes de fazer o mínimo para promover o conforto do outro;


Discutir a relação pode ser útil, quando os pares têm interesses em promover ajustes na relação e estão dispostos a ceder em algo.
Fazer apenas cobranças pode ser cansativo tanto para quem faz, quanto para quem ouve, além de promover o desgaste na relação e minar o sentimento.

Quando as discussões se tornam frequentes, é o momento de buscar ajuda de um  psicoterapeuta de casais para que os ajustes sejam feitos e a relação seja passada a limpo e restaurada.




Conclusão



Devemos considerar, que quando estamos numa relação, o outro também tem lá suas dificuldades de expor ideias, e desta forma, emite comportamentos nem sempre compreensíveis. Por misso, é bom manter a clareza, a concisão e a objetividade os diálogos, afinal a intimidade deve extrapolar o leito conjugal, e fazer parte do cotidiano do casal.



Experimente: quando algo no comportamento ou no discurso do outro não estiver dentro dos princípios da coerência, tente expor com clareza seu ponto de vista e perguntar ao outro qual o sentido daquela atitude. Agindo assim, você certamente estará se preparando para vivenciar relações com mais qualidade.









Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Carência afetiva: o que é e como lidar?

O normal e o patológico

A dificuldade em mostrar sentimento

Pessoas românticas

O que é Inveja e como se manifesta

Como lidar com o rompimento de uma relação afetiva

Devemos nos importar com o que pensam a nosso respeito?

Psicóloga em SP

Amor Idealizado: Será que você é amado (a) de verdade?

Terapia de Casal: