PSICÓLOGOS EM SÃO PAULO

Psicólogo | Psicóloga | Vila Mariana | São Paulo "O psicólogo é um profissional que oferece ajuda emocional, afetiva ...

A Raiva

*Psicóloga Bradesco*


A Raiva


Etmologia: 
Angere (inglês) = Angústia;
Rabies (latim) = doença canina
(Carvalho e Carvalho, 2010)


Desdobramentos: cólera, ira, fúria, rancor, ódio, desejo de agredir ou destruir

A raiva é uma emoção natural que sentimos quando passamos por alguma contrariedade, ou quando nossos desejos e ações são frustrados. Conhecida como um "sentimento negativo", ao qual fomos ensinados a reprimir ou negar. Mas se é natural e inerente ao ser humano, por que negá-la ou reprimi-la?



A negação da raiva (e de outros sentimentos menos nobres) está relacionada à educação que recebemos dos adultos. Quando crianças, muitas vezes éramos punidos quando expressávamos (publicamente) a raiva por meio de choro, birras, gritos, etc. Quando crescemos, a tendência é continuar reprimindo a raiva, seja para não sofrer punição,ou para garantir algumas gratificações.

Historicamente a repressão da raiva e seus desdobramentos está relacionada ao fato de que na idade média, um indivíduo colérico era considerado louco.


Alguns autores  (Carvalho e Carvalho, 2010) apontam que a manifestação da raiva pode ser a inibição (sentimento reprimido) ou a fúria (raiva incontida): a inibição se refere ao disfarce que usamos quando alguma contrariedade ocorre; a fúria é o oposto: se refere à manifestação da raiva no ambiente.

Sentir raiva é normal, natural e desejável. Inibi-lá ou demonstrá-la excessivamente, não!


A inibição pode somatizar e a longo prazo se transformar em doenças como gastrite, úlcera, depressão, etc.

A fúria também não é aconselhável, pois agir sob o domínio das emoções não é considerado um comportamento saudável, uma vez que o cérebro não tem condições de processar todas as informações que estão chegando, nem avaliar a situação como um todo. Isto significa que agir sob o impulso da raiva pode acarretar prejuízos maiores, para si e para os outros.

Qual o meio termo?

O ideal é que a raiva seja demonstrada com coerência.  Que não seja negada. Que seja assumida.

Afirmar: "Sim, estou com muita raiva neste momento", poderá levar o indivíduo a ter consciência de seus sentimentos, agregando autoconhecimento. Se possível conversar francamente com o causador da raiva, olhando no olho, dizendo frases (mais ou menos) assim:


 "Eu esperava outro comportamento de sua parte. O que aconteceu para você mudar de ideia?"

As manifestações violentas, maldosas ou agressivas  devem ser reprimidas, pois transformam a raiva em fúria, agressividade, doença e até mesmo... em destruição. A psicoterapia pode ajudar a desenvolver comportamentos mais assertivos e mudanças de pensamentos.

Naturalmente, existem ocorrências extremamente dolorosas, onde é impossível conter as manifestações de raiva. 

Mas são casos extremos, que não cabem nesta discussão. Tratarei disto em outra oportunidade. Por hora, concluo que temos o direito de sentir raiva quando somos frustrados, afinal  alimentamos esperanças e desejos de bem estar e segurança. Porém, há uma distância enorme entre sentir, manifestar e inibir.


*Psicóloga Bradesco*

Referências:

CARVALHO, Luciane Bizari; CARVALHO, João Coin. Emoções: Raiva. Coleção Mente e Cérebro: São Paulo; Dueto, 2010.

Psicóloga, São Paulo

Se chegou aqui, certamente busca uma psicóloga, psicólogo, psicoterapia, apoio emocional, ajuda psicológica, ou tratamento para sua ansiedade, depressão, estresse ou dificuldade de relacionamento.
Se este não for o caso, talvés a leitura de alguns artigos lhe seja útil.

Podemos agendar uma consulta psicológica gratuita para que você venha conhecer meu trabalho, minha missão, visão e valores.

Clique aqui para agendar uma Consulta Psicológica Gratuita
Quando buscar Terapia?

Exceto quando houver indicação de um médico ou psiquiatra, não existe UM momento adequado. Geralmente as pessoas buscam ajuda do psicólogo, ou psicóloga quando:

Sentem-seincompreendidos;



  • Psicologia Vila Mariana
  • Psicóloga Vila Mariana
  • Psicólogo Ana Rosa
  • Psicóloga Ana Rosa
  • Psicologia SP
  • Psicólogo SP
  • Psicóloga SP
  • Psicólogo em SP
  • Consultório de Psicologia Vila Mariana
  • Consultório de Psicologia em SP
  • Clínica de Psicologia Ana Rosa
  • Clínica de Psicologia Vila Mariana
  • Clínica de Psicologia Zona Sul
  • Psicólogo Zona Sul SP
  • Psicologa, Psicologa Bradesco,
    Psicólogo,
    Terapia de casal,
    Psicoterapia,
    Psicologa São Paulo,
    Psicóloga Vila Mariana,
  • Psicólogo Vila Mariana
  • Psicólogo São Paulo
  • Bradesco, Amil, sulamérica.
  • Bradesco, Amil, sulamérica.
  • Psicologo Bradesco,
  • Psicologo Amil,
  • Psicologo sulamérica.
  • Psicologa Amil,
  • Psicologa sulamérica.