As cinco fases do luto afetivo


Quando o amor morre...

“Acabou. E agora o que eu faço"?



Quando o amor morre...

Não importa o motivo: as rupturas quase sempre são dolorosas, mesmo quando não há mais amor. Isto ocorre, porque, segundo Helen Fisher (Bióloga que estuda as relações afetivas), nosso sistema de recompensa está habituado a receber as gratificações do parceiro, o que ajuda na produção de endorfinas pelo cérebro. Uma vez que o parceiro se vai, a produção de endorfinas cai, o que deixa o indivíduo em estado de apatia, tristeza e angústia.

Necessário considerar que se o sofrimento for IMENSO, causando comprometimento social (deixar de dormir, comer, trabalhar, etc.) convém procurar auxílio apoio terapêutico.

A paixão, seja ela correspondida ou não, dura em média 06 meses a 03 anos. Depois de um tempo há um declínio que pode se transformar em amor verdadeiro, amizade ou indiferença. A raiva não é o oposto do amor, mas sim, uma das formas pela qual se manifesta. 

Quem decidiu pelo rompimento pode começar aos poucos o processo de desligamento apagando aos poucos as marcas do outro, começando pelas mais simples.


É importante dar tempo ao tempo, mas iniciar outro romance na sequência é desaconselhável, pois o cérebro precisa de tempo pra se recuperar da frustração. E isto envolve tempo. É como convalescer após uma doença. Infelizmente é necessário conviver com o vazio.As cinco fases do luto afetivo

As cinco fases do luto afetivo



Psicologa bradesco sp,  Psicologo bradesco sp, psicóloga saúde bradesco sp, psicólogo saúde bradesco sp, Psicologa bradesco,  Psicologa bradesco Terapia de casal bradesco sp,  Terapia de casal saúde bradesco sp, Terapia de casal bradesco,  Terapia de casal bradesco saúde sp, Psicologa convenio bradesco,  Psicologa convenio bradesco reembolso,   Psicologa Sulamerica sp,  Psicologo Sulamerica sp, psicóloga saúde Sulamerica sp, psicólogo saúde Sulamerica sp, Psicologa Sulamerica, Psicologa Sulamerica, psicóloga Sulamerica saúde sp,  psicólogo Sulamerica saúde sp, Psicologa Sul america sp,  Psicologo Sul america sp, psicóloga saúde Sul america sp, psicólogo saúde Sul america sp, Psicologa Sul america, Psicologa Sul america, psicóloga Sul america saúde sp,  psicólogo Sul america saúde sp, Psicologa convenio Sulamerica sp,  Psicologo convenio Sulamerica sp, psicóloga  convenio saúde Sulamerica sp, psicólogo  convenio  saúde Sulamerica sp, Psicologa convenio  Sulamerica, psicóloga  convenio Sulamerica saúde sp,  psicólogo  convenio Sulamerica saúde sp, Psicoterapia Sulamerica sp,  Psicoterapia saúde Sulamerica sp, Psicoterapia Sulamerica, Psicoterapia Sul america, sp Psicoterapia Sul america, Terapia de casal Sulamerica sp,  Terapia de casal saúde Sulamerica sp, Terapia de casal saúde Sulamerica sp, Terapia de casal Sulamerica, Terapia de casal Sulamerica saúde sp,  Terapia de casal Sul america sp,  Terapia de casal saúde Sul america sp, Terapia de casal Sul america, Terapia de casal Sul america saúde sp, Terapia de casal convenio Sulamerica sp, Terapia de casal  convenio  saúde Sulamerica sp, Terapia de casal convenio Sulamerica, Terapia de casal  convenio Sulamerica saúde sp, reembolso,    Psicoterapia Golden cross sp, Psicoterapia Golden cross,   Psicologa Golden cross sp,  Psicologo Golden cross sp, psicóloga convenio Golden cross   psicólogo convenio Golden cross Terapia de casal Golden cross sp,  Terapia de casal Golden cross sp, Terapia de casal Golden cross   Terapia de casal Golden cross reembolso,    Psicologa Amil sp,  Psicologo Amil sp, Psicóloga convenio Amil psicólogo convenio Amil, Psicoterapia Amil sp,  Psicoterapia Amil,   primeira consulta grátis, vila mariana, são Paulo,


Quando um rompimento afetivo (amoroso, ou mesmo de amizade) chega ao fim, pode-se considerar que há uma morte, que para ser elaborada deverá passar pelas 5 fases do luto, propostas por Kluber-Ross: Negação, Raiva, barganha, depressão e aceitação.

1)    Negação:

Fase marcada pela tendência a mascarar a ocorrência, com atitudes divergentes daquelas que são esperadas  onde há uma ruptura, podendo ocorrer um comportamento dissimulado de pseudo-felicidade: “eu estou muito feliz por ter terminado o namoro”, “Agora quero mais é curtir a vida”. Nesta fase é comum que o individuo busque a companhia de outras pessoas para evitar o confronto com o sentimento de solidão. Como neste trecho da música “Agonia” de Oswaldo Montenegro (1980)

2)   Raiva:

A negação tem alguns limites que a realidade impõe, mas nem sempre as pessoas percebem, afinal vivemos em um contexto social que nos ensina a mascarar as tristezas e exibir nossa melhor face, sempre. Porém, como eu disse a realidade sempre impera (por mais que o conceito de realidade seja subjetivo), e a negação agora assume outra forma: passa a se expressar pela RAIVA, sentimento oriundo dos processos de frustração. Neste caso, a raiva é a negação do sentimento POSITIVO que alimentou a relação. É comum que os indivíduos passem a emitir comportamentos que favoreçam a depreciação do outro: “ Não sei como pude amar a fulana, ela nem é bonita”, ou “ Como eu perdi tempo com a beltrana, ela nem era inteligente. Tudo o que ela sabe fui eu que ensinei. Duvido que sobreviva sem mim”  ou “ela nunca vai arrumar alguém como eu, afinal não tem competência, nem beleza, nem nada”. A emissão destas falas depreciativas tem como meta primária agredir não o outro,... mas o sentimento que se nutre por ele. Como diz Adriana Calcanhoto na música “Mentiras”:

3) Barganha:

O individuo tentou negar o próprio sentimento de inferioridade oriundo da ruptura; depois aceitou a ruptura, mas tentou negar os sentimentos que nutre pelo outro. Nada disso deu certo! O jeito é assumir que houve uma ruptura, porém a negação que ocorre aqui é no que concerne ao seu caráter definitivo, portanto entra em cena o comportamento de barganha ou trocas. São comuns atitudes que visam atingir o outro de forma (a) direta “Juro que se você voltar eu nunca mais brigarei com você”; “prometo que paro de me lamentar tanto”, serei menos ciumento”, etc... ou (b) indireta: se arrumar do jeito que o outro gosta, usar o perfume que ele aprecia, ler os mesmos livros que ele; ir aos mesmos lugares, etc. este modo indireto de barganhar é muito comum em pessoas pouco assertivas, que tem dificuldades de falar o sentem, então passam a barganhar por meio de comportamentos que o outro aprecia: “vou me vestir de vermelho porque sei que ele adora vermelho” e com isto, tentar chamar a atenção da pessoa que o rejeitou. 

.4)   Depressão:


Conforme o tempo passa e o individuo vai percebendo que a barganha não está conseguindo mobilizar o outro, é chegado o momento em que a ficha cai: você realmente perdeu o outro! Nossa, como isso dói! Mas é FUNDAMENTAL sentir esta dor, pois é ela que vai te conduzir à maturidade emocional e consequentemente a dias melhores. Nesta fase há pouca coisa a ser feita para minimizar este sofrimento e as lágrimas são bem vindas.

5)   Aceitação:

Nada do que foi tentado deu certo, e o que tinha que ser lamentado já foi! Agora é “bola pra frente”. É hora de aceitar o “game over” e começar uma nova partida, depois do merecido descanso. Nesta fase é comum que haja interesses por novas atividades, que excluam qualquer contato, com o ex., como diz Ivan Lins, na música “começar de novo”:




Espero que este post possa ter servido para ampliar a compreensão sobre as rupturas, mas devemos considerar que estas fases não são lineares, podendo ocorrer em conjunto, ou em outra ordem. Algumas pessoas talvez nem passem por todas elas, outras passam diversas vezes.



Se a dor estiver insuportável, procure ajuda de um psicólogo.

  


REFERÊNCIAS



DICIONÁRIO Aurélio.
Amor.
[Online]. Disponível Em Http://Www.Dicionariodoaurelio.Com/Amor.Html
Acesso Em 23 De Junho De 2013.

FABICHACK, Cibele. 
Amor, Sexo, Endorfinas E Bobagens. 
São Paulo, 2010.

FROMM, Erich. 
A Arte De Amar
São Paulo. Martins Fontes. 1971

KÜBLER-ROSS, E. 
Sobre A Morte E O Morrer. 
8.Ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

SOUZA, Tuhany Barbosa. 
Amor Romântico.
Monografia de Conclusão De Curso.
Uniceub, 2007.








Gostou do Artigo? Obrigada. Se copiar, cite a fonte. Lembre-se que plágio é crime, conforme a lei 9610/18