Solidão



psicologa, sp, bradesco, vila mariana, amil, terapia cognitivo-comportamental, terapia de casal, adulto, sulamerica, reembolso, allianz

Ando só


Como um pássaro voando

Ando só

Como se voasse em bando

Ando só
Pois só eu sei andar
Sem saber até quando
Ando só

(Humberto Gessinger - Ando só)


Solidão é um conceito bastante controverso, embora pareça tão óbvio. Alguns teóricos vão defini-la como:


Isolamento social – trata-se operante público, levando o indivíduo a se esquivar propositalmente das formas de interação social, compreendendo que é mais gratificante se isolar, a fim de evitar ambientes punitivos ou pouco reforçadores. Pode ser conceituado como a insuficiência de habilidades sociais para estabelecer ou manter interações sociais íntimas, criando uma lacuna intransponível entre os indivíduos. (SÁ et al, 2006). 

Solidão – trata-se de um operante privado, entendida na Análise do Comportamento como “uma forma atenuada de frustração devido à interrupção de uma sequencia estabelecida de respostas que foram positivamente reforçadas pelo ambiente social” (SKINNER, 2007, p. 181), podendo desencadear emoções como a raiva, o medo ou a tristeza e o isolamento.


O psiquiatra Storr (2011) destaca que o homem é um ser de natureza prioritariamente social, precisando do apoio e companhia de outras pessoas durante toda a vida, para garantir o aprendizado e sobrevivência, o que os leva a desenvolver relações de apego. Deste modo, os indivíduos que não pertencem a algum círculo social poderiam perder sua significância, sua identidade e desenvolver doenças como ansiedade e depressão. Para não ter de se deparar com estes estímulos aversivos, o homem tende a buscar a companhia de seus pares onde quer que eles estejam: no mundo real ou no virtual.

Mas o que acontece quando não encontra companhia?


Aqui podemos mencionar a forma como a pessoa aprendeu a estabelecer seus vínculos e estabelecer valores afetivos. Muitas vezes, os indivíduos buscam a companhia de pessoas que tenham afinidades, porém alguns são mais seletivos, outros nem tanto.


Os mais seletivos tendem a sofrer de solidão um pouco mais, pois apresentam certas dificuldades em se relacionar com quem não têm afinidade e se sentem desconfortáveis na presença de pessoas que têm valores diferentes dos seus, o que acaba dificultando as suas elações sociais. Cabe aqui se questionar o que realmente é importante? Será que não valeria a pena abrir mão de alguns valores (ou tabus) para vivenciar encontros prazerosos?


Os menos seletivos as vezes tendem a se envolver indiscriminadamente, e com isso as vezes sofrem pois, ao se envolver com indivíduos de valores diferentes (as vezes até opostos) abrem mão de si mesmos, se doam demais e acabam sofrendo prejuízos de ordem material e ou afetiva, apenas para fugir da solidão.


Não existe regra para fugir da solidão. Creio que a felxibilidade de valores seja um caminho  a seguir.


Maris. V. Botari

Psicóloga Clínica e psicoterapeuta
psicologamaris@gmail.com
(11) 999.84-9910



Referências
SA, Roberto Novaes de; MATTAR, Cristine Monteiro; RODRIGUES, Joelson Tavares. Solidão e relações afetivas na era da técnica. Revista do Departamento de Psicologia da UFF. Niterói,  v. 18, n. 2. p. 111-124. Jul./Dez. 2006.


SKINNER, Buhrrus Frederich. Ciência e Comportamento Humano. Tradução João Todorov. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

STORR, Anthony. Solidão: a conexão com o eu. Trad. de Cláudia Gerpe Duarte. São Paulo: Benvirá, 2011.381 p.

Textos de Psicologia


Canal Youtube